O fim do ano se aproxima e, de algum modo, somos levados a fazer o balanço de mais um ano vivido intensamente com a graça do Senhor. O final do ano litúrgico ressalta os últimos tempos e continua, durante as duas primeiras semanas do Advento, a celebrar a segunda vinda do Senhor. Na verdade, toda manifestação do Senhor põe a descoberto nossas reais intenções e nos convoca a dar um passo mais decisivo em sua direção.

Vamos enfrentar, corajosamente, a espiritualidade do ciclo do Natal, da Encarnação do Verbo que é muito diferente daquela propalada pela sociedade de consumo, com papais-noéis e corrida às compras. Permaneçamos firmes na acolhida do mistério do Deus que se fez humano para nos tornar divinos. Este é o foco dos temas tratados nas seções deste número.

Destacamos o anúncio jubiloso de Roma que declarou São José de Anchieta patrono dos catequistas do Brasil! Merecidamente, um santo que dialogou com os indígenas, aprendeu a língua tupi, escreveu poemas e encenações para tornar o Evangelho compreensível. Quantas canseiras não sofreu para evangelizar num Brasil rude, quase sem comunicação e nenhum conforto!